Curetagem – O que é e como funciona?

Curetagem – O que é e como funciona?

Foto: Reprodução

O que é a curetagem?

Também conhecida como raspagem, a curetagem é um procedimento médico usado na ginecologia que atua em duas vertentes, sendo elas a uterina e a endocervical. A primeira é utilizada nos casos de aborto e serve para a evacuação da uterina, quando é preciso retirar o que não pôde sair espontaneamente. Já a segunda opção é feita para a coleta do material do endométrio a fim de diagnosticar a paciente, é possível descobrir um possível câncer de útero, por exemplo.

Como funciona esse exame?

De forma geral a curetagem é um exame bastante simples, contudo alguns casos podem pedir anestesia local ou geral. Numa mera colheita de material endométrio, a anestesia poderá ser local, contudo numa evacuação de conteúdo uterino, a anestesia geral é sempre recomendada, pois a paciente precisa estar completamente relaxada para que o procedimento ocorra bem. Os médicos costumam afirmar que o processo envolve pouca dor e até mesmo em vários casos as mulheres chegam a voltar para casa no mesmo dia do exame, mas é extremamente importante que a paciente fique de repouso por dois dias. Febres, cólica abdominal intensa ou duradora, ou sangramento vaginal intenso e persistente não fazem parte dos efeitos do exame, portanto a volta ao médico deve ser imediata nestes casos. É muito importante que a curetagem seja muito bem coordenada por profissionais de confiança e em clínicas muito bem recomendadas por outros profissionais ou clientes, afinal com a saúde não se pode correr riscos. Vale lembrar que no caso da colheita do material do endométrio, o exame poderá ser previamente acompanhado através de instrumento de óptica designado de histeroscópio.

Atenção!

Não existe uma idade mínima ou máxima que determine quando a cirurgia é indicada, mas pode acontecer com qualquer mulher fértil.

Cuidados a tomar depois da curetagem

  • Repouso de um a dois dias;
  • Abstinência de relações sexuais durante período definido pelo médico;
  • Uma gravidez só poderá ocorrer com seis meses depois da cirurgia, antes disso o útero não está preparado para receber uma criança.

Riscos deste procedimento

  • Possibilidade de infecção;
  • Risco de hemorragia;
  • Pode ocorrer uma perfuração uterina por causa de um mau profissional;
  • Alteração nas estruturas normais do endométrio por causa de uma raspagem agressiva;
  • Menstruação interrompida, ligada ao fator anterior;
  • Complicações cirúrgicas diversas;
  • Algo de errado com a anestesia.

Recomendar:

Comente. Compartilhe…